Na dieta, equilíbrio é a chave do sucesso

Para emagrecer tem mesmo que cortar glúten? E lactose? E chocolate? “Não! Sou avessa a modismos e não existe alimento proibido”, diz, categoricamente a nutricionista e consultora de alimentação Valéria Rangel. Para ela, o segredo reside no equilíbrio. Quer ver que curioso? “Quer comer chocolate todo dia, pode. Mas um quadradinho, e não uma barra. Até porque, se você tem desejo de comer uma barra inteira, se tem esse apetite voraz por doce, provavelmente te falta algum nutriente, te falta energia. Então, equilibrando o restante da dieta, isso vai embora”, disse com exclusividade ao site As Meninas.

A Menina Silvana Tinelli foi quem descobriu a Valéria, e ficou encantada com os resultados do seu programa. Dá uma olhada:

O programa funciona justamente pela variedade alimentar que a nutricionista oferece. Ela apresenta alimentos naturais que não deixam a gente “enjoar” nem cair na rotina. “Minha base é nutrição funcional, mas uso muito da sensibilidade de sentir meu cliente, depende da rotina e do ritmo de vida de cada um. Então, se não gosta de jiló, não precisa fazer sacrifício de comer, porque você vai acabar desistindo em pouco tempo. E são necessários três meses para essa reeducação”, fala.

Outro segredo de Valéria é repaginar alimentos que não agradam a todos os paladares. Ela conta, por exemplo, de um cliente que não gostava de queijo cottage. Mas ao temperá-lo com um fio de azeite e ervas frescas, como manjericão e tomilho, acabou mudando de impressão.  “Ao inserir algo novo na dieta, a pessoa se anima e come melhor”, explica.

Para quem não domina as técnicas de cozinha, mas tem uma funcionária para isso, Valéria presta um serviço de consultoria por hora – além da consulta, que custa R$600 – em que ensina receitas saudáveis e cozinha ao lado da pessoa. “Eu vou até a casa da cliente e ensino a cozinheira a diminuir a quantidade de gordura, mostro a hora certa de colocar as ervas para salientar as propriedades benéficas dos fitoterápicos e ensino truques, como um fiozinho de azeite na finalização de alguns pratos, que intensifica o sabor”, conta.

Perguntamos, ainda, quais os segredos para não abandonar a dieta e ela diz que tudo se trata de motivação. “Quando você lembra de tomar água, comer um lanchinho saudável com frutas secas ou tomar um suco natural, você está se cuidando. E é importante se cuidar um pouquinho todos os dias”, conclui.

 

 

Para procurar os serviços da profissional, escreva para valeria@nutrival.com.br.


C56FD3AD-BBC2-46A6-917F-C045CE8571C8

:Ciência não é gasto!

Hoje o publicitário Nizan Guanaes se juntou a nós cientistas, cedendo seu espaço semanal na Folha de São Paulo para insistirmos no nosso bordão: ciência não é gasto, ciência é investimento! (mais…)(mais...)

jane fonda jogging

:5 benefícios da corrida no pós-menopausa

A chegada da menopausa traz calores incômodos e pode ser que você se sinta desanimada para começar uma atividade física. Reunimos, então, 5 benefícios que a corrida traz para qualquer pessoa – mas que fazem muita diferença na vida de quem convive com a menopausa. (mais…)(mais...)

dificil emagrecer depois dos 40

:Por que é tão difícil emagrecer depois dos 40?

Afinal, por que é tão difícil emagrecer depois dos 40? O caderno Madame, suplemento feminino do jornal francês Le Figaro publicou uma reportagem especial a respeito do assunto – que imediatamente foi parar entre os mais lidos do site, é claro. (mais…)(mais...)

:Vamos salvar a ciência brasileira

A Menina Lygia da Veiga Pereira e outros renomados cientistas brasileiros estão com uma campanha de fundamental importância: vamos salvar a ciência brasileira. (mais…)(mais...)

supe humanosss

:Nós, super-humanos

“A biotecnologia vai criar desigualdades”, disse a aluna do ensino médio depois de ouvir minha aula sobre as novidades das pesquisas em genética, genomas e células-tronco. “Sim, professora, porque quem vai ter acesso a essas tecnologias médicas sofisticadas? Só uma classe privilegiada! Is(mais...)

IMG_2401

:Terapia, budismo e algumas lições

Às vésperas de fazer 80 anos, minha mãe me pediu de presente que fizéssemos uma “terapia” de mãe/filha. (mais…)(mais...)