Veneza: começou a Bienal

Mark Bradford in his studio

O circuito internacional de arte anda muito agitado. E não é por acaso.  Um dos maiores encontros de arte do mundo começou esse fim de semana. Trata-se da 57ª edição da Bienal de Veneza.

Se você fizer a conta, perceberá que a primeira Bienal de Veneza foi realizada em 1895. Foi ainda no século 19… faz muito tempo! Mas foi só dali a alguns anos que o evento começou a ganhar um caráter internacional, e vários países passaram a instalar os tais dos pavilhões nacionais na exposição.

Aliás, nessa edição, um dos pavilhões mais interessantes é o americano. O artista californiano Mark Bradford, que inclusive já esteve em São Paulo, na Bienal de 2006, foi escolhido para fazer uma instalação site-specific no espaço.

Mark Bradford, The Next Hotline (2015)

Para quem não sabe, Bradford é conhecido por suas pinturas em grande escala, como esta aqui acima, misturadas com colagens de diferentes materiais descartados, como placas de sinalização destroçadas. São obras de grande impacto… e trazem sempre um tom político sobre racismo, economia informal e democracia.

Ao longo dos últimos anos o artista vem em rápida ascensão, com mostras importantes no San Francisco Museum of Modern Art (2012) e no  Hammer Museum de Los Angeles (2015).

Bradford não só está em uma boa fase, como parece ter muito o que apresentar. O clima é um mix de ansiedade e festividade. Aliás, a Fendi organizou a festa de abertura da Bienal na Scuola Grande di San Rocco. Para mim um dos lugares mais impactantes da cidade. Luxo total! Que venha Veneza.

Scuola Grande di San Rocco

 

 


1

:O Basquiat de US$ 110 milhões

Enquanto por aqui, no Brasil, as coisas andam pra lá de turbulentas, a semana de leilões em Nova York foi um sucesso. Sotheby’s e Christie's realizaram os seus leilões numa semana espetacular. (mais…)(mais...)

Bordado feito pelo Grupo Janela Carioca, do Morro de Santa Maria, no Rio

:A casa bordada

O bordado é uma das técnicas que mais me chama atenção no trabalho artesão brasileiro e eu sou apaixonada por ele! Acho uma sutileza que diz muito sobre a identidade nacional. Imagina então uma casa inteira bordada? (mais…)(mais...)

Rupi 1

:O fenômeno Rupi Kaur

“Apaixone-se pela sua solidão”. A frase, assim como outras belas e sucintas poesias sobre dor, ruptura e amor, é de autoria de Rupi Kaur, escritora indiana que encontrou na ilustração, nas palavras e em um subúrbio canadense a cura para seus sofrimentos. (mais…)(mais...)

balé lacroix

:O amor da moda pelo balé

Não é de hoje o amor da moda pelo balé. Não bastasse a relação próxima de Paul Poiret com os Balés Russos, de Diaghilev, lá pelos idos de 1910, Christian Lacroix criou um figurino memorável para o Paris Opéra Ballet, no número “La Source”. (mais…)(mais...)

Mark Bradford in his studio

:Veneza: começou a Bienal

O circuito internacional de arte anda muito agitado. E não é por acaso.  Um dos maiores encontros de arte do mundo começou esse fim de semana. Trata-se da 57ª edição da Bienal de Veneza. (mais…)(mais...)

Teresinha Soares em seu ateliê em 1968

:Quem tem medo de Teresinha Soares?

Depois de uma viagem rápida por Nova York, finalmente estou de volta a São Paulo. Viajar é uma delícia, mas estar em casa é tão aconchegante! Ficar de pijama... nesse friozinho paulistano, então! Tem coisa melhor? (mais…)(mais...)