Calder, o joalheiro

EH_col_scan_calderjewl-neck1b 001

Quando se pensa em Alexander Calder é quase impossível não lembrar de seus móbiles. Aquelas esculturas maravilhosas que, quando instaladas, projetam imagens e até sons. É realmente algo muito pontual (e inspirador) no percurso da arte. Não à toa, o Whitney Museum, em Nova York, está com a exposição “Calder: Hipermobility”, reunindo esses trabalhos.

O que pouca gente conhece é uma outra faceta de Calder: a de joalheiro. O artista fez mais de 1.800 joias durante a vida. Há rumores de que sua primeira peça foi para a boneca de sua irmã, no início do século XX. Mas foi na década de 1930 que o artista começou a fazer joias como uma forma de complementar sua renda.

Segundo a curadora Elisabeth Agro, que organizou uma mostra de joias de Calder no Museu de Arte de Filadélfia em 2008, um de seus broches, por exemplo, podia ser adquirido na época por apenas US$25. Mas, com o tempo, suas joias passaram a adornar as mulheres da elite de Nova York.

cinto com detalhe de Alexander Calder, 1943

“Toda mulher em Nova York que é afortunada o suficiente tem um broche, uma pulseira ou um colar de Calder”, disse a colecionadora Peggy Guggenheim, que desfilava com brincos enormes do artista. Mary Rockefeller, por sua vez, sempre exibia um colar Calder em latão nas vernissages de arte moderna. Segunda a esposa do governador de New York, a peça “exigia um pouco dos ombros”.

Realmente, o foco de Calder não era o conforto. Ele criava peças grandes ou pesadas. É como se o artista não identificasse uma separação entre suas esculturas e seus brincos. “Ele aplicou sua visão como um escultor em quase tudo e via pessoas como formas funcionais nas quais podia pendurar mais pendentes”, explicou a curadora Elisabeth Agro.

colar de Alexander Clader, 1937

Calder recebeu algumas ofertas para produzir suas joias em massa, mas nunca aceitou.  “A produção em massa me faz pensar em pinturas de Martha Washington no interior de caixas de doces”, disse certa vez. Assim, fazia cada joia à mão, evitando técnicas tradicionais da joalheria. Charme da obra – e do artista. Azar o nosso.

 


Tarsila do Amaral - sol poente

:Tarsila em Nova York

Enxergar além do óbvio. Essa era uma das mais marcantes características da artista paulista Tarsila do Amaral (1886–1973), figura fundamental no Modernismo brasileiro. E enxergar além do óbvio é também o maior mérito do museu de arte moderna de Nova York, o MoMA, com sua programação semp(mais...)

discurso de oprah winfrey no globo de ouro

:O discurso de Oprah Winfrey

“Já entrevistei e representei gente que sofreu muitíssimo na vida. O que essas pessoas têm em comum é manterem viva a esperança de um mundo melhor. Quero que todas as meninas que virem isto saibam que temos um novo dia pela frente. (mais…)(mais...)

Bispo do Rosário

:Mostra de Arthur Bispo do Rosário vai até dia 14

Vai até o próximo domingo, dia 14, a exposição “Flutuações”, de Arthur Bispo do Rosário, em cartaz na Casa Museu Eva Klabin, no Rio de Janeiro.  (mais…)(mais...)

cate-blanchett

:Cate Blanchett preside Cannes

  Ao que tudo indica, a indústria do cinema está mesmo preocupada com a questão do assédio sexual, ainda bem! O Festival de Cinema de Cannes, que este ano acontece de 8 a 19 de maio, escolheu como presidente do seu júri a atriz Cate Blanchett, de 48 anos. (mais…)(mais...)

nuptias

:Nuptias: casamento reinventado

Retratos antigos de casamento feitos na região do Cariri, no nordeste do Brasil, se transformam em fotopinturas nas mãos de Rosângela Rennó graças a  tinta, objetos, recortes e recomposições. (mais…)(mais...)

trama fantasma - estreia cinema 2018

:Cinema: 6 estreias imperdíveis de 2018

O ano já começou e mal podemos esperar para assistir a esses filmes. Confira aqui os trailers das nossas 6 estreias imperdíveis de 2018: (mais…)(mais...)