Calder, o joalheiro

EH_col_scan_calderjewl-neck1b 001

Quando se pensa em Alexander Calder é quase impossível não lembrar de seus móbiles. Aquelas esculturas maravilhosas que, quando instaladas, projetam imagens e até sons. É realmente algo muito pontual (e inspirador) no percurso da arte. Não à toa, o Whitney Museum, em Nova York, está com a exposição “Calder: Hipermobility”, reunindo esses trabalhos.

O que pouca gente conhece é uma outra faceta de Calder: a de joalheiro. O artista fez mais de 1.800 joias durante a vida. Há rumores de que sua primeira peça foi para a boneca de sua irmã, no início do século XX. Mas foi na década de 1930 que o artista começou a fazer joias como uma forma de complementar sua renda.

Segundo a curadora Elisabeth Agro, que organizou uma mostra de joias de Calder no Museu de Arte de Filadélfia em 2008, um de seus broches, por exemplo, podia ser adquirido na época por apenas US$25. Mas, com o tempo, suas joias passaram a adornar as mulheres da elite de Nova York.

cinto com detalhe de Alexander Calder, 1943

“Toda mulher em Nova York que é afortunada o suficiente tem um broche, uma pulseira ou um colar de Calder”, disse a colecionadora Peggy Guggenheim, que desfilava com brincos enormes do artista. Mary Rockefeller, por sua vez, sempre exibia um colar Calder em latão nas vernissages de arte moderna. Segunda a esposa do governador de New York, a peça “exigia um pouco dos ombros”.

Realmente, o foco de Calder não era o conforto. Ele criava peças grandes ou pesadas. É como se o artista não identificasse uma separação entre suas esculturas e seus brincos. “Ele aplicou sua visão como um escultor em quase tudo e via pessoas como formas funcionais nas quais podia pendurar mais pendentes”, explicou a curadora Elisabeth Agro.

colar de Alexander Clader, 1937

Calder recebeu algumas ofertas para produzir suas joias em massa, mas nunca aceitou.  “A produção em massa me faz pensar em pinturas de Martha Washington no interior de caixas de doces”, disse certa vez. Assim, fazia cada joia à mão, evitando técnicas tradicionais da joalheria. Charme da obra – e do artista. Azar o nosso.

 


5C9F4512-9479-4BAA-BA17-EE7B8EB40952

:Um bom lugar pra ler um livro… na China!

Não é novidade para ninguém que eu sou fã assídua de bibliotecas. (mais…)(mais...)

mulher de bath

:Venha conferir

Esta semana estaremos com a peça em São José do Rio Preto (quinta) e sábado e domingo em Uberaba. "A Mulher de Bath" é uma peça ágil, movimentada e surpreendente. (mais…)(mais...)

mulher de bath - maite proença

:Sobre a Mulher de Bath

Sobre a "Mulher de Bath" que ora trago para o teatro. Um trecho da conversa que tive com o querido Flávio Gikovate antes de ele nos deixar ano passado. Eu ainda estava pensando em como montar o texto. Veja que belo resumo, nas palavras de Flávio: (mais…)(mais...)

:Com Amor, Van Gogh

Um filme pintado à mão. É isso que faz a beleza estupenda da animação “Com Amor, Van Gogh”. O longa reúne cerca de 65 mil pinturas inspiradas no mestre holandês e a história se baseia nas centenas de cartas escritas por Van Gogh ao seu irmão Theo. (mais…)(mais...)

Maite e Danilo Gentili

:Eu, no The Noite

Gravei com Danilo Gentili, em seu programa delicioso. (mais…)(mais...)

A mulher de Bath

:A Mulher de Bath

"A Mulher de Bath" é a peça que ensaio há meses. Esta mulher viveu no fim da Idade Média, é profundamente religiosa, mas também livre, soberana, dona de seu nariz. Só fala o que pensa. (mais…)(mais...)