Abstract: o design e os seus sentidos

 

Foi com muito espanto que outro dia achei no catálogo da Netflix uma série documental sobre… design! Uma surpresa mais do que positiva. Pode pegar o caderninho e anotar, porque a dica é boa.

O nome da série é “Abstract: The Art of Design”. Trata-se de uma produção da própria Netflix, liderada pelo documentarista premiado Morgan Neville. São oito episódios, cada um sobre um profissional notório do design moderno: tem Paula Scher, a criadora do logo do Windows8 e do Citibank; Christoph Niemann, o ilustrador do Google; o Tinker Hatfield, um dos designers de tênis da Nike e muito mais. Realmente vale a pena.

Mas o que me chamou mais atenção foi o último episódio, destinado à designer de interiores Ilse Crawford. Ainda que conhecida como “the woman of senses”, ela não nega a origem inglesa. Sabe aquele tipo de profissional que tem o controle exemplar sobre a técnica? Então. Muito diferente, por exemplo, do que estamos habituados na América, onde o fator intuitivo é de grande relevância em um projeto de design de interiores.

No entanto, muito me interessou a forma como ela entende o design. Na própria introdução do seu episódio, ela fala: “acima de tudo, design é uma ferramenta para acentuar nossa humanidade. É uma moldura para a vida”. Não à toa, depois de estudar história da arquitetura e ser editora de duas revistas de arquitetura e decoração, ela escreveu o livro “Sensual Home”, que explicita seu entendimento do design a partir dos cinco sentidos.

Abstract-Netflix-4

Ilse não demorou para ser convidada – sem nenhuma experiência prática – a desenvolver seu primeiro projeto de design de interiores, que foi o do Babington House, um dos hotéis do grupo Soho House, no interior do Reino Unido. Os donos queriam um hotel tradicional e rústico. Contra essa ideia, Crawford os convenceu de sua proposta: “um lugar informal, como a casa de um amigo cujos pais foram viajar e esqueceram de trancar as bebidas”. Assim, a designer foi vista como precursora de uma estética inovadora e disruptiva, que influenciou diversos profissionais.

babington-house

Babington House

Ela fez outros milhares de projetos bem-sucedidos pelo mundo, que vale a pena conferir. Mas, para mim, o maior sucesso é seu próprio processo de criação, isto é, o caminho linear entre a proposta final do projeto, onde os cinco sentidos estão conectados, e o resultado, onde de fato acontece toda essa sinestesia. Uma verdadeira alquimia do design.

 

 


6

:O impressionante Calendário Pirelli 2018

A gente adora acompanhar as mudanças que a imagem da mulher está passando nas campanhas publicitárias recentes. Antes tarde do que nunca! E a Pirelli foi uma das marcas de mais destaque nesse quesito. (mais…)(mais...)

abre

:Arte sobre o café derramado

A Menina Eliana Michaelichen já falou aqui sobre a latte art, ou seja, a arte de criar desenhos com a espuma do cappuccino. Mas hoje descobrimos outro trabalho feito com café que é de cair o queixo! (mais…)(mais...)

paricá 2

:Teçume: a marca must have da vez

Cris Barros, Giuliana Romanno e a nossa Menina Esther Giobbi já se encantaram e levaram para as coleções de suas marcas. Donata Meirelles e Daniela Falcão já foram vistas desfilando com as suas bolsas por aí. (mais…)(mais...)

lucianok_baixa

:Um charmoso hotel-butique em Santiago

  Apesar de ser uma das mais charmosas capitais da América do Sul, Santiago ainda não conta com uma oferta diversificada de hotéis-butique. Aqueles, pequenos e com personalidade, sabe? (mais…)(mais...)

No fim da exposição, a marca de papel lançou de um helicóptero pedaços de papel com a cor escolhida pelo público

:Marrs Green: a cor favorita do mundo

Muito se especula sobre gostos e preferências. Há de se concordar, no entanto, que existe um limite para esse tipo de discussão. (mais…)(mais...)

2

:O faz-de-conta é essencial

O faz-de-conta é essencial para o aprendizado e para estimular a criatividade e a imaginação dos pequenos. (mais…)(mais...)