Abstract: o design e os seus sentidos

 

Foi com muito espanto que outro dia achei no catálogo da Netflix uma série documental sobre… design! Uma surpresa mais do que positiva. Pode pegar o caderninho e anotar, porque a dica é boa.

O nome da série é “Abstract: The Art of Design”. Trata-se de uma produção da própria Netflix, liderada pelo documentarista premiado Morgan Neville. São oito episódios, cada um sobre um profissional notório do design moderno: tem Paula Scher, a criadora do logo do Windows8 e do Citibank; Christoph Niemann, o ilustrador do Google; o Tinker Hatfield, um dos designers de tênis da Nike e muito mais. Realmente vale a pena.

Mas o que me chamou mais atenção foi o último episódio, destinado à designer de interiores Ilse Crawford. Ainda que conhecida como “the woman of senses”, ela não nega a origem inglesa. Sabe aquele tipo de profissional que tem o controle exemplar sobre a técnica? Então. Muito diferente, por exemplo, do que estamos habituados na América, onde o fator intuitivo é de grande relevância em um projeto de design de interiores.

No entanto, muito me interessou a forma como ela entende o design. Na própria introdução do seu episódio, ela fala: “acima de tudo, design é uma ferramenta para acentuar nossa humanidade. É uma moldura para a vida”. Não à toa, depois de estudar história da arquitetura e ser editora de duas revistas de arquitetura e decoração, ela escreveu o livro “Sensual Home”, que explicita seu entendimento do design a partir dos cinco sentidos.

Abstract-Netflix-4

Ilse não demorou para ser convidada – sem nenhuma experiência prática – a desenvolver seu primeiro projeto de design de interiores, que foi o do Babington House, um dos hotéis do grupo Soho House, no interior do Reino Unido. Os donos queriam um hotel tradicional e rústico. Contra essa ideia, Crawford os convenceu de sua proposta: “um lugar informal, como a casa de um amigo cujos pais foram viajar e esqueceram de trancar as bebidas”. Assim, a designer foi vista como precursora de uma estética inovadora e disruptiva, que influenciou diversos profissionais.

babington-house

Babington House

Ela fez outros milhares de projetos bem-sucedidos pelo mundo, que vale a pena conferir. Mas, para mim, o maior sucesso é seu próprio processo de criação, isto é, o caminho linear entre a proposta final do projeto, onde os cinco sentidos estão conectados, e o resultado, onde de fato acontece toda essa sinestesia. Uma verdadeira alquimia do design.

 

 


livro Libraries by Candida Höfer

:As bibliotecas mais lindas do mundo

Quais são as bibliotecas mais lindas do mundo? Mesmo em tempos de iPad e do tal do touch, as bibliotecas continuam funcionando como verdadeiras fortalezas do conhecimento. Claro, fortalezas bem charmosas. (mais…)(mais...)

livro coquetel 4

:Consulte antes do próximo happy hour

À procura de uma inspiração para o próximo happy hour? O livro “Cocktail Chameleon” (Assouline, 240 pág.) tem uma miríade de opções. (mais…)(mais...)

piso e mesa de madeira de demolição

:Inspiração: madeira de demolição

Retirada de antigas construções e transformada em pisos, painéis e até móveis, a madeira de demolição é cheia de personalidade e transforma mesmo o mais básico dos ambientes em um lugar acolhedor. (mais…)(mais...)

amazonia

:A internacionalização da Amazônia

Essa merece ser lida, afinal não é todo dia que um brasileiro dá um esculacho educadíssimo nos americanos! (mais…)(mais...)

Cynthia Garcia vale (1)

:Mulheres de poder: Cynthia Garcia

Obras de arte por todas as paredes, caixas da Hermès, livros e mais livros... tudo em uma “desorganização organizada”. (mais…)(mais...)

Vale

:Lugares imperdíveis pelo vale do Douro

Passei esse mês na Europa. Na parte final da viagem, tive o prazer de ficar na parte portuguesa do vale do Douro, que fica ao norte do país. Embora nasça na Espanha, o Rio Douro tem sua maior parte em Portugal – uma região híbrida entre os dois países ibéricos que só visitando para entende(mais...)